JULHO 2014 – TURQUIA – ITÁLIA + 7 PAÍSES. (17ª VIAGEM)

JULHO 2014 – TURQUIA – ITÁLIA + 7 PAÍSES. (17ª VIAGEM)

Diário de Bordo

Muito aprendizado aconteceu antes do embarque, alguns encontros, muita troca de experiencias e aprendizado entre os futuros colegas de viagem!

Romênia \ Bulgária \ Turquia \ Grécia \ Itália\ Vaticano \ San Marino \ Suíça \ Alemanha.

Dia 1 – 15 de julho – Terça – Encontro em São Paulo

Nós, Eu e meu filho Marcus Augusto, ganhamos uma carona da colega Izabel, nós três formos conduzidos ao aeroporto pelo Anton, filho da Izabel. No Aeroporto já estavam Valdinei, companheiro de Travessia, também das viagens para América Central e Chile, e sua filha Barbara, de 18 anos, que recebeu do pai o presente da vida, já que ela nunca tinha saído de Santa Catarina, nunca tinha viajado de avião. Todos os 5 com mochilas, com menos de 10 kg, passando no teste de mochileiros. As 11 horas, chegamos em São Paulo, já fomos encontrando os colegas de viagens e Travessias, bem como alguns que também seria a primeira viagem conosco. Muitos reencontros especiais, como foi com o grupo América Central 2013, 10 dos viajantes seguiriam nesse novo desafio. Também Lucia e Luis Trilho, da viagem América Central 2012, que reencontraram Leila e Izabel! Neusa e Evanice da viagem América Central 2011. Dos 38 viajantes, 33 estava sendo esperados, 5 foram um dia antes por conveniência do vôo. As 15 horas, como combinado, partimos do ponto de encontro, no fim do terminal 2, para nosso cheking no novo e espetacular Terminal 3 de Guarulhos, finalmente temos um terminal descente para receber as pessoas com conforto e segurança. A companhia érea escolhida foi a Swiss, a primeira vez para todos os viajantes, no portão D38, ultimas instruções sobre a viagem e um pontual embarque as 18h30 com destino a Zurique.

Um dos filmes que poderia ser assistido no avião era Grand Hotel Budapest, por coincidência, um dos hotel que vamos ficar na viagem, para quem ainda não assistiu, uma obra prima!

Dia 2 – 16 de julho – Quarta – Bucareste

Amanhecemos em Território europeu, em um lindo dia de sol, podemos ver os Pirineus, e os Alpes. Nunca chame um chileno ou argentino de alpinista, eles são, andinistas!!!

Nosso voo foi espetacular, a Swiss foi a melhor companhia que eu já voei, com todos os detalhes no avião, a comida, o excelente serviço de bordo, que do nosso lado foi feito brilhantemente pelo Vitor, um italiano que morou quando criança no Brasil e fala português sem acento, muito gentil e simpático. Dei de presente ao Vitor uma camiseta do grupo, ele ficou muiiito emocionado e agradeceu muito!!!
Deixo o meu registro, quem fez as poltronas, uma famosa marca de bancos esportivos, do espetacular, A 340, não estudou ergonomia!!!
Fizemos uma escala em Zurique, já do avião e possível percebem um pais organizado, no aeroporto, novo, limpo, nada fora do lugar!!!
Hoje felizmente temos o Terminal 3 de Guarulhos para comparar, porque todos nossos aeroportos não são assim?!

Nossa camisa de passeio com uma pequena bandeira do Brasil e com nosso logo do Travessias.com, nos fez ver que pelo menos na Suíça, aquela avalanche que aconteceu em uma partida de um outro esporte, na fatídica terça feira, não abalou a imagem positiva do nosso pais no exterior!

A bordo do A 320, seguimos para um vôo de 1h30 para Bucareste, um comissário, que nos identificou pela camisa, já deu instruções em português!
Na saída agradeci o esforço!
Para a surpresa de todos a Léia nos esperava no aeroporto, com uma plaquinha escrito, TRAVESSIAS BRASIL! Alegria e tranquilidade para todos!!!

A primeira impressão de Bucareste foi a melhor possível. Como estava na programação, fizemos uma caminhada de detox (palavra da moda), fomos de metro para ao centro. Depois de perguntar para algumas pessoas na rua, encontramos o Restaurante Scalibur com comida Medieval! Eles não tem garfos, todos comem com a mão!!! Todos saíram felizes e satisfeitos como ogros…kkk

De volta ao hotel, encontramos os viajantes que chegaram antes, Rodrigo, Rosalba, Maria de Fátima e a Neusa!
Se formou o primeiro grupo de corrida, eu, Marcos o Rodrigo, Valdinei, Jonas, Leila e Betina, saímos do hotel, demos a volta no parlamento e voltamos, 1 hora de uma corrida pelo centro de Bucareste.

Dia 3 – 17 de julho – Quinta – Bucareste – Sófia

Apos um ótimo café da manha, nosso ônibus partiu rumo a Sófia. Não antes de uma parada em frente ao Parlamento, segundo maior prédio publico do mundo!

1l

Na saída de Bucareste, nos deparamos com belos campos de girassóis. Uma breve e tranquila parada na fronteira, todos dentro do ônibus, para o carimbo de saída da Romênia e entrada na Bulgária. Como previsto, entramos na cidade de Pleven para almoçar. Os motoristas não conheciam nada, em algum momento pararam o ônibus, eu vi um banner de propaganda de um restaurante, eu fui lá ver, uma entrada de uma garagem de um prédio horroroso, uma pequena escadaria descia para um inacreditável restaurante que parecia ter decoração de quarto de menina com muito bom gosto!!!
Somente o dono e a dona falavam um pouco de inglês e a dona falava alemão, que possibilitou que o Carlos de Blumenau, utilizasse seu idioma materno pela primeira vez fora do pais, conversou com ela, os demais resolveram como mimica, uma comida deliciosa, pessoas simpáticas , muito melhor que eu pudesse imaginar !!!

Chegamos por volta de 18 horas em Sófia, para nosso hotel de confiança!!!

Nossa amiga Petya e sua colega Nora, estavam nos esperando para nos acompanhar em uma agradável visita guiada pela bela Sófia!!!
No fim da visita, fomos tentar comer em uma taberna que comemos ano passado, mas estava lotada! Esse pequena “frustração”, proporcionou ao grupo buscar, cada um, sua própria alternativa! Com destaque para o Raymond e o Brunini, que pararam em uma mercearia, comeram um delicioso sanduíche com um ótimo vinho!!!

Dia 4 – 18 de julho – Sexta – Sófia – Plovdiv – Istambul

Nosso ônibus atrasou um pouco, como tínhamos aprendido anteriormente os horários na Bulgária são como no Brasil,
8 horas, são 8 e meia!!!!

Chega o ônibus com os inicialmente carrancudos motoristas turcos, mas que aos poucos foram entrando no clima! Tínhamos até um rodomoço, que nos servia água, café e balinhas, descobrimos que ele era atleta olímpico de Luta Greco romana. A única coisinha esquisita é que eles pediram para que cada um de nos passasse a fronteira com uma garrafa de whuisk, opssss, isso não!!!
Só contei isso no dia seguinte aos viajantes!!!
Petya foi junto conosco até Plovdiv, além de uma das 10 cidades mais antigas do mundo, era sua cidade natal!
Plovdiv foi uma muito agradável surpresa a todos, uma bela cidade tanto na parte moderna quanto na parte histórica. Petya com sempre, com maestria nos fez viajar pelos 10 mil anos de historia de Plovdiv,

2l

Almoçamos pelo centro de Plovdiv, nos despedimos da Petya que esta seguindo para o Chile e talvez nos visite em Florianópolis, seguimos nossa viagem!

No meio do caminho a Lucia disse com muito segredo que o colega Brunini era um grande Dizedor de Poesia, sem muita cerimonia ele aceitou nos presentear com belas poesias…
Léia cantou uma bela musica em homenagem aos amigos gaúchos que são maioria no grupo, 11!!!

Parada na fronteira, um batismo para muita gente, revista de bagagem, tudo certo vamos embora, mais histórias pra contar!!!

Primeira janta em território turco, uma parada de beira de estrada, simplesmente acabamos com toda a comida!!!!
Nadar e viajar da fome!!!!!

Chegamos em Istambul a uma da manha, olhem as caras….

Mesmo com o adiantado da hora, eu a Leila, o Valdinei e o Rodrigo saímos pra correr, aproveitei para ensinar a turma o caminho para o Grand Bazar!
Na ida podemos ver muitas famílias no centro de Istambul, se alimentando porque estavam no Ramadan ou Ramazan como dizem na Turquia, e nesse mês, ele não se alimentam da hora que o sol nasce até quando o sol se põe!!

Demos uma ótima volta pelo centro de Istambul, voltamos pela beira do Mar Marmara!

Dia 5– 19 de julho – sábado – Istambul

Para uma localização histórica, Istambul era Constantinopla!!!

Pudemos acordar, por volta das 8horas, nossa manha estava dedicada a pegar os kits e fazer um passeio de Barco no Bósforo oferecido pela organização do evento. Uma inesperada chuvarada na manha em Istambul, cidade que chove pouco.

Assim que embarcamos no ônibus a chuva parou, logo fomos pra fila, que não estava muito grande.
Uma fila internacional revela como é a educação de cada povo, o grupo logo aprendeu a palavra a ser gritada ao avistar um furão, LINE, LINE!!!!

Corremos com alguns furoes, os russos eram os que mais tentavam!!kkk

3l

Todos já com os kits, ficamos esperando o passeio de barco, como eles não cobraram a entrada, todos, mesmo os não atletas puderam ir junto, o barco cabiam mais de 1000 pessoas. Logo na saída pude observar que a corrente na margem estava diferente de 2013, o contra fluxo estava maior.
Um lindo passeio de barco, podemos além das aguas, apreciar a bela Istambul, nos lados asiáticos e europeu. Um diretor do Comitê Olímpico Turco, foi dando algumas dicas, como o cabo de alta tenção era o meio da prova. A Léia foi nos apresentar ao diretor do evento, ele estava bem preocupado com as condições do tempo, pela experiência que temos aqui, eu achava que não era pra se preocupar, mas preferi não interferir. Dei de presente ao colega turco uma camiseta da equipe!

No Bósforo, são 2 pontes, a primeira logo após a largada, a segunda logo após a chegada, eu apelidei carinhosamente de ponte do terror, passou embaixo, algo deu muito errado!!!!

Essa Travessia tem uma característica, em nenhum momento é possível sentir a temperatura da agua, porque é muito alto o muro nas margens do canal.
Todos já com os kits, ficamos esperando o passeio de barco, como eles não cobraram a entrada, todos, mesmo os não atletas puderam ir junto, o barco cabia mais de 1000 pessoas. Logo na saída pude observar que a corrente na margem estava diferente de 2013, o contra fluxo estava maior. Eu não me conformei com isso de não tocar na agua, mesmo porque eu seria um dos nadadores. Eu disse ao grupo que me esperasse antes de entrar no ônibus, comecei a busca por um lugar onde tocar na agua! Fui ao lado da praça kuruçeşme (o c cedilha tem som de ch), não era possível, fui em um restaurante ao lado, também não, no fundo, na beira do Bósforo, tinha o que parecia ser um mercado, inclusive o nome de mercado. Dei bom dia e pedi desculpa em turco, as únicas duas palavras que aprendi, eles apresentaram um garçom, eu pedi para tocar na agua, porque nadaria amanha, ele foi muito simpático e logo me levou até a beira da agua, não era possível tocar com a mão, mas tirei o tênis me estiquei todo e pude tocar na agua e senti que a agua, ufa, temperatura acima dos 23 graus!!!
O restaurante era espetacularmente decorado, chic e tinha um cheiro muito agradável. Dei uma olhada no cardápio e vi que os preços não eram caros, para o padrão e localização. Voltamos para o hotel com a primeira missão cumprida em terras turcas!
Levei parte do grupo até o Grand Bazar, o maior mercado coberto do mundo, segundo os turcos, com 4000 lojas, a tarde era livre para passeios e comprinhas!!
Durante o passeio no Grand Bazar, em uma das lojas a Léia descobriu um passeio com jantar a noite no Bosforo, todo o grupo decidiu participar após a Travessia.
Nosso hotel em Istambul tem uma localização privilegiada, muito próximo ao centro e com uma bela vista para o Mar Marmara!!!

Dia 6– 20 de julho – Domingo – Dia da Travessia – Istambul

Inicialmente o dia mais importante de toda a viagem, dia da Travessia Transcontinental!

Conseguimos um café da manha as 6h30, logo após as 7 horas, partimos para a praça kuruçeşme.
Como já tínhamos pego os kits, estávamos tranquilos. Nossa base era no mesmo local do ano passado, com uns mini colchonetes distribuídos pela Samsung o grande patrocinador do evento, nosso ninho ficou bem agradável!

Eu como um nadador iniciante de ter feito duas travessias, a mais de 20 anos (tudo isso..?), mas com, digamos assim, muita experiência, não tive muito tempo pra ficar preocupado, também porque minha maior missão era acompanhar principalmente a Rosa, que é a nadadora medrosa, mais corajosa que eu conheço!!!
Com a Rosa, surgiu a Turma da Cordinha. A Teresa e a Flavia, também eram as integrantes da Turma da Cordinha oficiais!

Foi chegando a hora, muitas fotos, muitos sorrisos, muitas alegria, mas em breve o bicho iria pegar!!!

Um belo dia em Istambul!!

Hora de entrar no barco, todos os nadadores couberam em um só barco, até 35 anos, na parte superior, os demais, na parte de baixo. Passamos pelo cabo de alta tenção, pela primeira ponte, e encostou o barco. A partir de agora vou contar minha participação ou “saga” como queiram!!!

Todos aguardam dentro do barco, primeiros a largar foram os deficientes, eu fiquei observando um nadador que não tem uma perna, deve ser da mesma classe do Fabiano Machado de Curitiba e do Amaro Francisco de São Paulo, S9, ano passado como eu estava na chegada, vi que ele foi o primeiro entre todos os atletas a chegar. Ele pegou uma rota que eu contarei a todos que forem ano que vem….

Logo chamaram os touca verde escura, tá chagando nossa hora!

Agoraaaa, recebermos o sinal, assim que saímos no barco e pisamos na plataforma, o chip foi acionado, minhas referencia eram a Rosa e a Teresa, a Flavia estava junto conosco também!

Logo que pulei na agua, perdi a Rosa, olhei para todos os lados, e não encontrei, sabia que ela e o Roque, estavam juntos, por isso não me preocupei muito!
Seguimos eu a Teresa e a Flavia, a Teresa era até essa presidente do CTNB – Clube da Tartarugas Nadadoras Brasileiras, fomos sem pressa…

A Flavia com a experiência adquirida nas provas do Circuito Mercosul de Travessias e por ter nadado os 6,5 km no Rio da Guarda do Embau, estava muito mais rápida e logo após a primeira ponte ela nos deixou. A correnteza era mais forte que a Teresa nadando, por isso eu não precisava nadar para acompanhar a Teresa, fiz literalmente um tour aquático pelo histórico Estreito de Bósforo. Eu pedia pra Teresa tudo o tempo nadar pra direita, para não ficamos em uma curva acentuada do lado esquerdo do Bósforo. Nos fomos nos afastando do Mar Negro, origem do estreito, e nos aproximando do Mediterrâneo, onde desemboca o Bósforo!
Foram passando todos que estavam na nossa frente, comecei a observar a aproximação de muitos barcos, assim que passamos dos fios de alta tenção estávamos liderando a prova, de traz pra frente, claro!!!

O numero de barcos que nos cercavam aumentava, até um helicóptero começou a nos acompanhar de perto!

Eram 55 minutos de prova, teoricamente chegaríamos dentro do tempo de 2 horas para acabar os 6,5 km de prova!

Sempre que chegavam os barcos próximos eu começava a nadar para demonstrar que eu sabia nadar, não estava nadando porque estava acompanhando a colega!

Um dos barcos nos aproximou e disse para sairmos da agua, eu disse que não!!!

Tínhamos 2 horas, e completaríamos a prova. A pressão só aumentava, a cada momento chegavam, barcos, caiaques, helicóptero. Eram aproximados 5 km de prova a situação ficou insustentável, me adiantei um poucoem relação a Tereza, só escutei a vos dela dizendo:

– VAI MARCOS!!!!!!

Eu nem olhei pra traz, mas sabia que ela tinha sido recolhida, isso me deu tranquilidade.
Baixei a cabeça e:

– TOQUEI O PAU NESSES BAÇINHOS MARCOS!!!

Nadei bem forte, devo ter batido o recorde que eu não tenho dos 50, 100 e 200 metros., até parar um barco da policia turca na minha frente, eles literalmente colocaram o barco na minha frente. O policial ficou dizendo que eu tinha que sair, eu argumentava que estava dentro do tempo regulamentar e que eu estava atrás porque eu estava acompanhando uma colega, depois de muita briga eu falei que era PROFESSOR!!!!
Pelo menos na Turquia o Professor tem moral!!!
O policial finalmente parou de acelerar o barco, eu contornei e segui viagem!!!
Logo vi em minha frente os últimos nadadores, ou melhor, os que estavam logo na minha frente, porque eu era o ultimo!!!
A briga tinha me desgastado, mas a aproximação de outros nadadores me deixou mais tranquilo, uma nadadora turca, me perguntou se eu estava vendo a chegada, eu disse que sim, eu disse pra ela me seguir!
Logo avistei a piscina do Galatasaray, uma pequena ilha quase na margem européira do Bósforo, a piscina era uma referencia para a chegar, faltavam 700 metros, assim que passei pela piscina, puder ver nossas bandeiras do Brasil e da Turquia, com essa visão pensei, foi fácil!!!
Eu não tinha ideia que a parte mais difícil estava por vir!
Cheguei até o restaurante que, no dia anterior, eu tinha podido sentir que a temperatura era agradável, era o primeiro prédio da praça!
Retardei o máximo minha entrada no refluxo do estreito, na margem!
Chegou um momento, para não deixar nadadores até a segunda ponte, aquela, a ponte do terror, eles fizeram uma linda de barcos e não deixavam passar, foi obrigado a entrar no contra fluxo. Mas nesse momento, a largada, nossa bandeira e nossos colegas já estavam bem a vista, eu já comemorava a chegada!
Nesse momento achei o Roque e a Rosa!!!

Para sentir se eu estava evoluindo, marquei um caminhão vermelho que estava na praça, fiquei mais de 10 minutos no mesmo lugar, o que era comemoração virou preocupação, porque já se aproximava de 2 horas de prova!

Fiquei também com medo de perder a força!!

Tentei mudar de lugar para ver se conseguia uma correnteza mas fraca, consegui algum avanço, até o povo me ver. Na camiseta da Turma da Cordinha, escrito a palavra acredita, além do português, também no turco, com a mobilização da Léia, eu já podia escutar as palavras credere e imanen!!!

Já passava de 1 hora e 50 minutos de prova, cheguei mais próximo do muro, alonguei bem a braçada e comecei a me aproximar na chegada, quando faltavam poucos metros, a conquista era eminente, eu lembrei de um pedido da Léia, chegar nadando golfinho, só isso!!kk

A correnteza contra diminuiu, ficou fácil, vou chegar!!!

As 3 ultimas braçadas de golfinho!!!

Fui o 1560, o antepenúltimo que chegou dentro do tempo normal!

Um tempo de 1:54:57, comemorados com emoção, duvido se o campeão geral tenha sentido mais emoção que eu!!!!

 4l

Ano que vem volto para fazer em 1h e 17 minutos!!!

ACREDITA!!!!

Comemoramos muito com todos, o destaque para o Brunini e a Lucia Trillo, que ficaram em primeiro de suas categorias!!!

Fiquei contente com a afirmação do colega Raymond Burk:

– O Desafio Guarda do Embau é muito mais difícil que o Bósforo!!

Na hora de ir embora, lembrei do restaurante onde pude sentir a temperatura da agua, fomos todos pra lá. Uma comida muito boa, cardápio com tablete, o engraçado é que com tanto chique e tecnologia, os garçons esquecerem de anotar alguns pratos e as contas dos clientes eles faziam escrevendo em uma folhinha de papel!

Tarde de descanso, para o passeio de barco. Na hora combinada, o ônibus veio nos buscar no hotel, o barco era belíssimo, o mestre de cerimonia era o próprio dono do barco, que conduzia muito bem tudo que acontecia!
Um grupo folclórico apresentando danças de varias partes da Europa, dançarinas de dança do ventre, o destaque foi para um homem que cantava uma musica em 45 idiomas, no barco tinha gente da China, Iraque, Nova Zelândia, Afeganistão, Colômbia, Índia, Paquistão, Espanha e Japão. Foi feita uma homenagem para o Brunini e para a Lucia, também ocorreu um concurso de dança, onde o Brasil ganhou porque foi muito bem representado por uma de nossas colegas, que eu prefiro não citar o nome….
Foi realmente espetacular, além do próprio passeio e da visão do Bósforo a noite, exatamente no percurso onde alguns de nos tínhamos acabado de nadar!

Dia 7– 21 de julho – Segunda – Istambul – Atenas (Grécia)

Dia da visita guiada em Istambul, a guia que nós contratamos, não pode vir, ela mandou um outro guia que nos mostrou os principais monumentos de Istambul. Mesquita Azul, Cisterna, Ahia Sofia por fora e Palácio do Sultão!

Fechada nossa estadia na Turquia, melhor que pudéssemos esperar!
As 18h saímos do Hotel para o Aeroporto, embarcamos as 20h30, chegamos em Atenas as 22h, demoramos um pouco para localizar o ônibus, logo estávamos ao caminho do hotel. O hotel tinha uma bela vista para Acropoli e ficava bem no centro, fácil de sair para comer um giro pita, famoso sanduiche grego, influencia do domínio Otomano na Grécia.

Dia 8 – 22 de julho – Terça – Atenas – Mikonos – Atenas

Acordamos cedo, partimos de ônibus para o porto de Rafina, pegamos um ferry para Mikonos. Uma preocupação um de nossos colegas não estava bem, uma forte infecção intestinal. Em três horas estávamos em Mikonos, a mais famosa das ilhas gregas. Pegamos um ônibus aquático até o centro da ilha, ficamos em uma pequena praia bem próximo da vila. Alguns foram nadar, eu dei aula de natação para quem não tinha muita intimidade com a agua!
Alguns alugaram quadriciclos, outros se perderam as vielas irregulares de Mikonos. Voltamos fim de tarde para Atenas.

Dia 9 – 23 de julho – Quarta – Atenas

Dia de visitar as atrações de Atenas, uma breve caminhada nos levou até a entrada do parque da Acropoli, onde esta localizado o Partenon, principal monumento grego e um dos mais famosos e visitados do mundo!
A quantidade de turistas era impressionante. Descemos até o Museu da Acopoli e posteriormente o Estádio Olímpico, local das primeiras Olimpíadas da era moderna. Atenas ficou na memoria de todos, voltamos para o hotel, seguimos de ônibus até o Templo de Poseidon, sugestão do amigo Kilian, antes de seguir para o Aeroporto. O templo dedicado ao Deus do mar localiza-se em Cabo Sounion, que está a 65 quilômetros de Atenas, a bela estrada que nos levou até lá, podemos ver belas praias, deu vontade de parar em uma das praias. O templo foi erguido em homenagem a Poseidon para proteger as águas gregas. Na antiguidade foi usado para observar os barcos que se aproximavam de Atenas. Um adeus a Grécia, uma curta mas proveitosa estadia!

Embarcamos em uma nova companhia aérea Vueling, voo tranquilo, chegamos em Roma as 0h10, duas vans nos esperam no aeroporto, o hotel não era conhecido, mas foi bom e bem localizado.

Dia 10 – 24 de julho – Quinta – Atenas – Roma – San Marino

As 9 horas, Cristina, uma a guia que eu contratei para nos mostrar Roma em uma visita formula 1. Cristina uma simpática e eficiente italiana, que conhecia tudo do Brasil. Combinamos que ela seguiria sem olhar pra traz, ela acelerou o passo, para podermos ver tudo!
Foi uma rápida e excelente visita, o destaque ficou para o Panteon, prédio de 27 a.C. com uma cúpula tem 43 metros de diâmetro e tem uma abertura por onde a chuva não entra, segundo a Cristina, a chuva se transforma em pequenas gotículas e não chegam no chão!!!
Cristina nos deixou no Vaticano, alguns foram visitar a basílica de São Pedro, outro grupo, como já tínhamos programado, fomos dar a volta caminhando em um país!
Eu, o Carlos, a Alessandra, a Flavia, a Léia e o Marcus Augusto, demos a volta caminhando em 37 minutos e 54 segundos!!!

Voltamos para o hotel, com uma amostra de uma Roma que precisasse de 1 mês para ver tudo!!

Chegamos ao hotel com uma hora de atraso, nosso novo motorista que inicialmente estava bravo, logo ficou sorridente com um grupo tão animado!
A única preocupação era com nosso colega que ainda não se sentia bem!

Embarcamos para a famosa e desconhecida por todos do grupo. Uma bela estrada pela região norte italiana, chegamos em San Marino por volta das 8 da noite!

Apesar da preocupação com nosso colega, a atmosfera de San Marino agradou atodos!

O hotel também não era conhecido mas agradou a todos pela localização e pela vista!
Um pequeno restaurante com uma excelente comida também agradou a todos!!!

Dia 11 – 25 de julho – Sexta – San Marino – Lago Maggiore

As 5 horas da manha um grande susto, uma ligação para nosso quarto, nosso colega estava muito mau, precisava ir urgente para o hospital. Foi acionado o seguro, e nos ligamos para o plantão da embaixada do Brasil na Itália. E deixamos em alerta a companhia aérea para uma eventual volta ao Brasil. Um taxi levou nosso colega ao hospital e o grupo foi avisado que as 11horas deveríamos embarcar para o Lago Maggiore. Ficamos aguardando noticias, a cada hora as noticias eram melhores, o paciente estava melhor e tinha possibilidade de alta no inicio da tarde. Como todos estavam no Castelo de San Marino, não foi difícil passar a informação a todos, a medida que as noticias chegavam pelo telefone!

Um festival medieval, muitas pessoas vestidas com roupas medievais deixavam o clima de San Marino ainda mais agradável!
Nosso doentinho deixou passar do ponto de procurar um hospital , pela resistência típica do povo qual ele é descendente, por ser medico muito competente da referida especialidade!!!

Foi muito bem atendido em um hospital de San Marino!

Equilíbrio restabelecido, San Marino foi uma grande surpresa a todos, muitos querem voltar, partimos com vontade de voltar e ficar mais tempo em San Marino!

Seguimos viagem para o Lago Maggiore, local da Travessia. Mais uma agradável viagem por terras italianas, a noite chegamos no pacato Reino de Liggiuno, uma pequena comunidade as margens do Lago Maggiore onde ficava nosso hotel e a largada da Travessia. Logo na chegada a emoção de ver o encontro da colega Betina e sua filha Adriane, que estava estudando na Inglaterra, e não se encontravam a 9 meses!!!

Adriane seria nossa colega até Munique! Após alguns ajustes com o “jeito de ser italiano que ser” bem diferente do nosso, todos em seus lugares, como enchemos todo o hotel, alguns dos colegas ficaram em outros dois locais de hospedagem. Nos encontramos com a amiga Claudia Donini de Florianópolis que também veio pra nadar. Conhecemos a Regina de São Paulo, também nadadora!

Dia 12 – 26 de julho – Sábado – Travessia Lago Maggiore

Acordei cedo, os primeiros movimentos de Travessia já eram vistos, pude reconhecer nossos colaboradores nas nossas Travessias em Santa Catarina. Uma pequena chuva de manha assustou os organizadores, mas logo parou. A Travessia foi sendo montada, conheci os colegas Dario e Flora, organizadores da prova. Retiramos os kits e nos preparamos para a prova de 4 km. Tudo pronto, pegamos o barco para a outra margem do lago.Enquanto esperamos o horário da largada, fomos presenteados com uma apresentação de um projeto dos bombeiros italianos, com cachorros que são treinados para resgate na agua, um dos cachorros levou uma socorrista, ela resgatou um colega que pedia ajuda, o cachorro resgatou os 2 e trouxe até na praia!!

Após a linda e emocionante demonstração nos preparamos para a largada. Eu e a Flavia saímos juntos, e nadamos juntos grande parte de do percurso, por volta dos 2 kms, a Lucia Moreira se juntou a nós. Faltando menos de 1 quilômetro, a Lucia teve fortes câimbras, eu ajudei a aliviar as contraturas e seguimos juntos até o fim!

Foi muito mais difícil que no Bósforo, apesar das dificuldades de lá!
Duas horas nadando em agua doce não é fácil!

A prova não é competitiva, todos ganham um troféu igual, um modelo para quem nadou uma prova e um maior para quem nadou as duas provas, mas os 5 primeiros do geral são premiados!

Fizemos muita festa, fomos homenageados pelos amigos italianos. Deixamos nosso recado de alegria e irmandade!!!!

Obrigado Flora e Dario, passamos ótimos momentos com vocês!!!!

Nos juntamos para a revelação do tradicional amigo secreto, antecipado porque a colega Neusa, seguiria outro destino!

Na Itália contamos com a fluência em italiano dos colegas Brunini e Lucimara!
Emoções a parte, nos preparamos para a ultima noite em território italiano.

Dia 13 – 27 de julho – domingo – Lago Maggiore – Munique.

Acordei as 4 horas e fiquei esperando o ônibus, que nos levaria a Munique. O ônibus não veio, recebemos um recado por email da empresa, que aconteceu um acidente!

Tínhamos que decidir o que fazer, a decisão foi levar o grupo para a cidade maior, Milão!
Com a ajuda da Silvia, dona do hotel, conseguimos uma van que cabiam 10 pessoas, fizemos 4 viagens para a estação mais próxima que ficava a 5 km do hotel. Foi uma verdadeira fuga e corrida contra o tempo!
Chegamos em pouco tempo na estação, eu fui o ultimo a entrar no trem, fechou a porta e seguimos pra Milão!

Em Milão, a segunda missão, como e pra onde ir!
Com a ajuda da Lucimara, ficamos esperando na fila para tentar comprar passagens de trem!

Enquanto isso eu fui procurar entre os ônibus que ficam fora da estação, um ônibus para nos levar para Munique. Um simpático motorista ligou para umas 20 pessoas e não consegui um ônibus para nos levar a Munique. Escolhi que iriamos para a maior cidade mais perto de Munique., Zurique na Suíça!

Compramos as 38 passagens e entramos no trem, para uma das mais lindas viagens do mundo, uma repleta de lagos e belas paisagens, parecia que estávamos vendo paisagens de calendário a cada curva do trem!!!

Durante a viagem conhecemos um suíço chamado Tobias, ele era namorado de uma brasileira e estava disposto a nos ajudar em Zurique. Chegamos em Zurique, eu e o Tobias fomos pra o guichê da estação de trem, uma simpática moça nos ajudou. Compramos 21 passagens de ônibus até Munique e 12 passagens de trem!

Dentre os viajantes, decidimos que eu, a Léia e nosso filho Marcus Augusto, ficaríamos pra traz, os parceiros Valdinei e Barbara também seriam parte dos 5!

Mas a Teresa e a Flavia, se ofereceram para ficar, a Léia e o menino seguiram viagem de ônibus. Como estava muito próximo da hora de chegar o trem, tivemos que acelerar o passo!

Os 12 do trem, seguiram viagem!!!

Encaminhamos os 21 do ônibus, nós os 5 sem transporte, ficamos na estação para ver o destino nos levaria. Olhando no mapa da Europa eu escolhi seguir para a cidade mais longe de Zurique, mais peto de Munique, uma cidade que eu nunca tinha ouvido falar, nosso destino era Lindau. Chegamos em Lindal por volta das 23 horas, não era possível seguir adiante, procuramos hotel, mas como nosso trem sairia logo após as 4 horas, decidimos dormir na pequena estação de Lindau. Caminhamos a noite pela bela cidade medieval a beira do Lago de Constança, Bodensee em Alemão, é um lago atravessado pelo rio Reno e situado na fronteira da Alemanha com a Áustria e a Suíça. Ficou a vontade de voltar com mais calma.

Dia 14 – 28 de julho – Segunda – Munique

Acordamos as 4 horas, com passagens em mãos seguimos para Munique. As 7 e meia da manha, estávamos tomando café no hotel!

Aos poucos fomos encontrando os colegas de viagem!!

Dia de caminhar por Munique, um dia sem programação. O hotel também foi escolhido pela internet, era muito bem, com excelente localização e estrutura, com o melhor café da manha de toda a viagem, na opinião de muitos!!

Dia 15 – 29 de julho – Terça – Munique

A sugestão da colega Izabel, foi aceita por quase todos, o fantástico Museu de Tecnologia!

Oficialmente nossa viagem acabava em Munique, fizemos uma reunião de despedida. Mas apenas 6 de nossos colegas seguiriam para o Brasil, e a Betina continuaria na Alemanha.

Eu comuniquei ao grupo que nos seguiríamos viagem até Paris, 27 dos colegas decidiram seguir junto.

Queremos agradecer a todos os que acreditaram nesse sonho!!!

Nos vemos nas aguas do mundo!!!

Marcos Pinheiro

Viajantes:
1 – Renato – São Paulo – SP
2 – Ione – São Paulo – SP
3 – Teresa – Brasilia – DF
4 – Maria Teresa – Brasilia – DF
5 – Liz – Brasilia – DF
6 – Airan – Brasilia – DF
7 – Rosa – Porto Alegre – RS
8 – Roque – Porto Alegre – RS
9 – Valdinei – Florianópolis – SC
10 – Leila – Curitiba – PR
11 – Flavia – Porto Alegre – RS 
12 – Lucia T – São Paulo – SP
13 – Luis T – São Paulo – SP
14 – Solange – Curitiba – PR
15 – Alessandra – Blumenau – SC
16 – Carlos – Blumenau – SC
17 – Vanessa – Porto Alegre – RS
18 – Lucimara – Toledo – PR
19 – Jonas – Toledo – PR
20 – Brunini – São Paulo – SP
21 – Betina – Laranjeiras do Sul – PR
22 – Marcos – Toledo – PR
23 – Juliana – Toledo – PR
24 – Daniela – Brasília – DF
25 – Denis – Porto Alegre – RS
26 – Neusa – Porto Alegre – RS
27 – Raymond – Rio de Janeiro – RJ
28 – Rosane – Curitiba – PR
29 – Sergio – Criciúma – SC
30 – Evanice – Curitiba – PR
31 – Izabel – Florianópolis – SC
32 – Rodrigo – Porto Alegre – RS
33 – Rosalba – Porto Alegre – RS
34 – Barbará – Florianópolis – SC
35 – Maria de Fátima – Porto Alegre – RS
36 – Marcus Augusto – Florianópolis – SC
37 – Léia – Florianópolis – SC
38 – Marcos – Florianópolis – SC

Viajantes convidadas:

Lucia Moreira, Adriane e Claudia Donini!

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.